O projeto INCARE foi criado em novembro de 2016 pela Enactus CEFET/RJ para melhorar a qualidade de vida dos refugiados no Rio de Janeiro. Depois de um longo período de estudo e análise sobre esse público-alvo, a equipe do projeto percebeu que o desemprego é o maior problema enfrentado por essas pessoas aqui em nossa cidade. A falta de emprego reflete diariamente em suas vidas, afetando sua auto-estima, inclusão social e crença em uma vida digna no Brasil.

Por isso, pesquisamos as atuais demandas profissionais do mercado e os requisitos da atuação em cada ramo. Fizemos uma análise do custo-benefício de todos eles e chegamos a Tecnologia da Informação. Uma área que continua a crescer em todo o mundo.

Para que o projeto seja efetivo, sua execução será feita em três etapas:
Na primeira, vamos avaliar os conhecimentos de lógica, matemática, inglês básico, software e buscas virtuais dos nossos beneficiados e, para aqueles que apresentarem qualquer tipo de dificuldade será oferecido um nivelamento a fim de desenvolver essas competências para que possam absorver plenamente o conteúdo das aulas.

O segundo passo é inserir os refugiados em cursos de programação reconhecidos no mercado. Para isso, chamamos a MasterTech, start-up que promove workshops e cursos voltados para as áreas de tecnologia, design e negócios. A partir do dinheiro arrecadado, vamos capacitá-los com o curso de Programação da MasterTech que contempla conteúdos de Design Thinking, criação de protótipos, conceitos básicos de programação, Html, CSS, Javascript e desenvolvimento de aplicativos e sites.

Por último, vamos finalmente inseri-los no mercado de trabalho. Através de parcerias já estabelecidas, abriremos programas de estágio em TI para os participantes do curso. Em paralelo, prestaremos mentoria a cada refugiado, a fim de torná-los mais confiantes para o início de suas jornadas profissionais.

Empoderá-los por meio da Tecnologia representa uma chance de obter conhecimento empreendedor, formando pessoas mais autônomas e inovadoras, capazes de impactar o segundo setor da cidade, que tem oferecido muitas vagas de trabalho nessa área. Essas milhares de vagas não preenchidas significam que o INCARE tem um impacto não só na vida dos refugiados, mas também na economia de todo o país. Nosso objetivo é chegar a 400 refugiados capacitados de 35 mil residentes no Brasil.